À conversa com... José Milhazes | 29 de JUNHO, 2018

No próximo dia 29 de junho de 2018, sexta feira,
às 21:30 horas, na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal,
vamos estar
à conversa com o Jornalista JOSÉ MILHAZES
a propósito  
 do seu livro "As minhas aventuras no país dos sovietes"

Biografia
José Milhazes nasceu na Póvoa de Varzim em 1958. Tradutor de autores clássicos e políticos russos, tornou-se conhecido enquanto correspondente em Moscovo da SIC, TSF e jornal Público. Doutorado pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, é autor de vários livros. Vive em Moscovo desde 1977 e 2015. É atualmente correspondente da SIC e da RDP, colunista do Observador e professor universitário.

Sinopse do livro:

«Naquela altura, mais precisamente no dia 9 de setembro de 1977, os comboios da linha Póvoa de Varzim-Porto (Trindade) ainda eram movidos a carvão e foi num deles que se iniciou, nessa data, a minha longa viagem ao País dos Sovietes.
[…] A mala era leve porque, além de não haver dinheiro para mais, eu estava convencido de que não se ia para o Paraíso Terrestre com a casa às costas, porque nesse lugar não costuma faltar nada, à excepção do pecado.
Sim, eu ia viver na sociedade quase perfeita, na transição do socialismo desenvolvido para o comunismo.» José Milhazes

À conversa com... Rita Ferro | 25 de MAIO, 2018

No próximo dia 25 de maio de 2018, sexta feira,
às 21.30 horas, na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal,
vamos estar
à conversa com a escritora RITA FERRO
a propósito do seu mais recente livro intitulado
"Um amante no Porto (romance)".


Biografia

RITA FERRO nasceu em Lisboa, em 1955. Estudou Design, especializou-se em Marketing, foi professora de Publicidade e exerceu funções de direcção e consultoria em diversas empresas.
Iniciou a sua carreira literária em 1990, arriscando um novo tipo de escrita feminina que, tendo obtido um enorme êxito e revolucionado o mercado literário português, conheceu inúmeros seguidores.
Criou um estilo e, com ele, um novo género. Distingue-se por uma técnica de narração mordaz e cativante, de grande versatilidade. Ao longo de mais de vinte anos, escreveu romances, cartas, biografias, livros de crónicas, literatura infantil e até uma peça de teatro. Além de presença regular na imprensa e na televisão, é cronista na rádio, júri literária e de festivais de cinema, e desenvolveu dois cursos inéditos: «Incentivo à Criação» e «Começar a Escrever». Em 2009, integrou o conselho consultivo da recém-criada Fundação António Quadros, Cultura e Pensamento, dedicada à memória de seu pai e avós.
Ao seu romance autobiográfico A Menina É Filha de Quem? (2011) foi atribuído o prémio PEN Clube Português de Narrativa.
Os seus livros estão editados em Espanha, no Brasil e na Croácia.
Um Amante no Porto (2018) é o seu mais recente romance.


Contra capa

Uma história vibrante, escrita à desfilada, que segue a vida de Álvaro, um rapazinho do Porto, nascido de uma família burguesa da classe média, desde a escola primária até ao ensino universitário, passando pelas festas, o encontro com os «meninos da Foz», o hóquei em patins e as bandas musicais do seu tempo, a paixão pelos cavalos e pelas mulheres, os grupos de estudantes e a Mocidade Portuguesa, até ao dia em que, já divorciado, encontra Zara, uma lisboeta livre, impetuosa e indiscreta, vinte anos mais nova, que pressente nele, por trás da aparente candura da sua história, uma verdade obscura que dificilmente aceitará.
Uma relação dura, sobressaltada e passional, feita de incerteza, de traição e de devassa, em que o amor se degrada com a desconfiança e onde quem esconde pode não encobrir tanto como quem indaga.
Um Amante no Porto é mais um surpreendente romance de Rita Ferro, que é também o retrato de uma época e uma profunda reflexão sobre o amor, no estilo directo e desafectado que é seu timbre inconfundível, com a competência narrativa a que já nos habituou.

Obras de RITA FERRO

O NÓ NA GARGANTA (1990; romance)
O VESTIDO DE LANTEJOULAS (1991; romance)
O VENTO E ALUA (1992; romance)
POR TUDO E POR NADA (1994; crónicas)
UMA MULHER NÃO CHORA (1997; romance)
DESCULPE LÁ, MÃE! (1998; cartas; com a filha, Marta Gautier)
RETRATO DE FAMÍLIA (1999; fotobiografia; com a irmã, Mafalda Ferro)
POR INSTINTO (2000; crónicas)
OS FILHOS DA MÃE (2000, romance)
A MENINA DANÇA? (2002, romance)
És MEU! (2003. romance)
OS CROMOS DE RITA FERRO (2003; crónicas)
SEBASTIÃO ALVES (2004: fotobiografia: com Ana Vidal)
QUERIDA MENOPAUSA (2005; cartas; com Helena Sacadura Cabral)
NÃO ME CONTES O FIM (2005; romance)
AS CARAS DA MÃE (2006; infantil: com ilustrações de Luís Leal)
SEXO NA DESPORTIVA - HISTÓRIAS PARA ADULTOS (2007; crónicas)
RESPONDE SE És HOMEM - EPÍSTOLAS AOS INCRÉDULOS (2007; cartas; com Raul Miguel Rosado Fernandes)
O JURISTA E A CADELA (2007; conto)
13 GOTAS AO DEITAR (2009: colectiva)
QUATRO & UM QUARTO (2009; romance)
CHOCOLATE - HISTÓRIAS PARA LER E CHORAR POR MAIS (2010; colectiva)
A MENINA É FILHA DE QUEM? (2011; romance biográfico; Prémio PEN de Narrativa)
AQUI ('2013; infantil; com ilustrações de Zé Souto Moura)
VENEZA PODE ESPERAR - DIÁRIO I (2014)
A SECRETÁRIA DE SIDÓNIO PAES (2014)
SÓ SE MORRE UMA VEZ - DIÁRIO 2 (2015)
CINCO DEDOS DE UMA MÃO (2015; infantil; com ilustrações de Rita Roquette de Vasconcellos)
ANTÓNIO FERRO, UM HOMEM POR AMAR (2016; romance)
UM AMANTE NO PORTO (2018; romance) 

Nos 130 anos da criação da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo - EXPOSIÇÃO

A Biblioteca Municipal foi fundada, 
em 16 de Fevereiro de 1888, 
na sequência da proposta apresentada em sessão de Câmara pelo vereador Dr. José Malheiro Reymão, 
sendo presidente Luís de Andrade e Sousa.

"Desde a abertura ao público e até aos dias de hoje, a Biblioteca Municipal de Viana do Castelo acumulou um importante espólio bibliográfico e documental que, muitas vezes, condicionou a sua instalação e foi responsável por mudanças sucessivas de espaços e de localização, em consequência de um dimensionamento que, com o tempo, se revelava inadequado e insuficiente.
A construção do actual edifício para a Biblioteca Municipal insere-se numa perspectiva de valorização desta instituição tendo em atenção o facto de se tratar de uma unidade cultural criada na segunda metade do século XIX. Instituída formalmente em 1888, esta Biblioteca hoje centenária é responsável desde 1912, altura em que é provisoriamente instalada e aberta ao público, pela prestação de um serviço público de grande relevância tanto no seio da comunidade como da região.

A proposta de construção de um edifício de raiz surge da necessidade de dotar o município de uma infraestrutura devidamente adequada e dimensionada às exigências actuais e futuras, capaz de cumprir a missão de uma verdadeira Biblioteca Pública, tendo em atenção as crescentes exigências e solicitações do meio.
Assim, a construção do actual edifício obedeceu aos requisitos impostos para as bibliotecas de leitura pública e que visavam a criação de uma rede nacional de leitura, tendo por base o concelho. No entanto, como as exigências subjacentes à construção desta rede de bibliotecas foram pensadas para dotar todos os municípios portugueses de uma biblioteca de leitura pública, a proposta apresentada para Viana do Castelo, no seu conjunto, atendeu a estas exigências mas contemplou igualmente as necessidades inerentes à realidade local, ou sejam: - de uma biblioteca com características de conservação de um património valioso acumulado ao longo dos anos, e de uma biblioteca capaz de responder de forma adequada às solicitações que lhe foram impostas através da criação de novos serviços que foi disponibilizando.
O novo edifício da Biblioteca Municipal, aberto ao público em Janeiro de 2008, veio a revelar-se imprescindível, não só para receber adequadamente os serviços existentes mas também para permitir a sua expansão no sentido da conquista de novos utilizadores e de uma mais sólida fidelização dos existentes. 
A beleza arquitectónica do edifício, projectado por Álvaro Siza Vieira em local privilegiado da cidade, enquadrado com o rio e com o centro histórico, o valioso património bibliográfico e documental, o dinamismo imposto com vista à promoção e enraizamento no meio, e os diferentes serviços vocacionados para satisfazer as necessidades informativas e de fruição cultural dos mais diversos utilizadores são responsáveis por uma forte implantação e aumento de influência da Biblioteca Municipal na comunidade.
Cada vez mais, esta infraestrutura vem assumido um papel relevante na satisfação das mais diversas necessidades junto de muitas entidades e sectores profissionais, destacando-se a sua influência em áreas como as da cultura, da educação e do lazer, o que implica naturalmente uma concentração de esforços e uma adequação de meios aos desafios que lhe são colocados constantemente pela comunidade."


FONTE:
CORREIO DO MINHO |Voz às Bibliotecas | RUI A. VIANA


Expo comemorativa

Redes Sociais: 

À conversa com... 9 de MARÇO, 2018

À conversa com... Mário Augusto

No próximo dia 09 de março de 2018, sexta feira, às 21.30 horas, na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, vamos estar à conversa com o escritor Mário Augusto a propósito do seu mais recente livro intitulado "Caderno Diário da Memória".




AUTOR:
Mário Augusto nasceu em março de 1963, em S. Félix da Marinha, perto de Espinho. É jornalista de televisão desde 1986, autor e apresentador de vários programas de divulgação de cinema.
Começou a carreira no jornal O Comércio do Porto. Colaborou no Se7e, na revista Sábado e no Público. Foi um dos fundadores da SIC. Trabalhou como radialista na Rádio Comercial, na Antena 1, na Antena 3 e na Rádio Nova, no Porto.
É o jornalista português que mais estrelas de cinema entrevistou para televisão, contando mais de 2 mil entrevistas ao longo de 28 anos.
Fundou e dirigiu a revista Cinemania.
Realizou e produziu documentários já premiados, foi autor de argumentos para televisão. Na RTP criou e dirige o projeto Academia RTP, destinado a formar e a descobrir novos criadores de audiovisual.
Coordena e apresenta o mais antigo magazine de cinema da televisão Portuguesa, o Janela Indiscreta.
É casado e pai de três filhos. Vive onde sempre viveu, em Espinho, uma paisagem à beira-mar que não troca por nada.


Outros livros do autor:
Nos bastidores de Hollywood
Mais bastidores de Hollywood
Obra de Charlie Chaplin—125 anos
Philip Seymour Hoffman : um americano inquieto
A Sebenta do Tempo: manual de memória para esquecidos
O Verão azul dos afetos

O Gabriel Garcia Márquez disse: "Aquele que não tem memória arranja uma de papel." Não quero que este livro tenha essa função, mas sim que nos proporcione uma bela viagem ao que deixámos para trás. A "Sebenta" e o "Caderno" complementam-se, tudo passado a limpo para não apagar com a borracha do tempo. Divirtam-se, que eu cá diverti-me!"

À conversa com...

David Machado, a partir do seu livro 

"Índice médio de felicidade" (romance)


| 26 JAN. 2018 - sexta feira


| 21h30


| Sala Couto Viana BM


Prémio da União Europeia para a Literatura 2015


 

Agora também um filme de Joaquim Leitão


À conversa com... Rodrigo Guedes de Carvalho

No próximo dia 30 de Junho, sexta feira, às 21.30 horas, na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, vamos estar à conversa com o escritor Rodrigo Guedes de Carvalho a propósito do seu mais recente livro intitulado O Pianista de Hotel.














O Autor

Rodrigo Guedes de Carvalho nasceu em 1963, no Porto. Recebeu o Prémio Especial do Júri do Festival Internacional FIGRA, em França, com uma Grande Reportagem sobre urgências hospitalares (1997). Estreou-se na ficção com o romance Daqui a nada (1992) vencedor do Prémio Jovens Talentos da ONU.  Seguiram-se-lhe A Casa Quieta (2005), Mulher em Branco (2006) e Canário (2007). Elogiado pela crítica, foi considerado uma das vozes mais importantes da nova literatura portuguesa.  É ainda autor dos argumentos cinematográficos de Coisa Ruim (2006) e Entre os Dedos (2009), e da peça de teatro Os pés no arame (estreada em 2002, com nova encenação em 2016).
Regressa ao romance com O Pianista de Hotel(2017).




Próximo À conversa com...

Onésimo Teotónio Almeida

com o livro: A Obsessão da Portugalidade

26 de Maio | 21h30

Sala Couto Viana, Biblioteca Municipal


Biografia


A Obra
Enquanto meio mundo se consome na busca de uma identidade - deficitária, perdida, indefinida -, Portugal tem demasiada identidade, e cuida-a com excessivos desvelos sentimentais e saudosistas. Uma manifestação superficial disso será, por exemplo, a paroxística paixão recente pelo fado e seus novos intérpretes, que brotam do chão a cada hora que passa. Onésimo vai mais fundo e, no tom (certo) que lhe é próprio, com a clareza que a distância lhe permite, e a sua mistura habitual de humor e erudição, analisa e disseca os nossos meandros identitários.


O Autor
Estudou no Seminário de Angra do Heroísmo, bacharelou-se na Universidade Católica de Lisboa. Desde 1972 nos Estados Unidos, fez mestrado e doutoramento em Filosofia na Brown University, onde é catedrático no Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros (foi seu director durante doze anos), no Wayland Collegium for Liberal Learning Renaissance and Early Modern Studies da mesma universidade, leccionando cursos interdisciplinares sobre valores e história cultural e das ideias.
Além de vários livros de ensaios, tem centenas de artigos dispersos que ultimamente tem reunido em volumes temáticos: De Marx a Darwin – a desconfiança das ideologias (2009, Prémio Seeds of Science 2010 para Ciências Sociais e Humanidades), O Peso do HífenEnsaios sobre a experiência luso-americana (2010) e Pessoa, Portugal e o Futuro (2014). Publicou ainda Utopias em Dói Menor – Conversas transatlânticas com Onésimo, conduzidas por João Maurício Brás (Gradiva, 2012).
No género de crónica e conto, as suas mais recentes colectâneas são Quando os Bobos Uivam (Clube do Autor, 2013), Aventuras de um Nabogador – Estórias em Sanduíche (Bertrand, 2007) e Livro-me do Desassossego (Temas e Debates, 2006). Onésimo. Português Sem Filtro (Clube do Autor, 2011) é uma antologia de cinco livros esgotados.
Colaborador permanente do Jornal de Letras, é membro da Academia Internacional de Cultura Portuguesa e da Academia da Marinha e Doutor Honoris Causa pela Universidade de Aveiro.



À conversa com... José Viale Moutinho | 5 de Maio

05 de Maio | 21h30

Sala Couto Viana, Biblioteca Municipal





Biografia

Nasceu no Funchal. Das suas obras, as mais recentes: de ficção Velhos Deuses Empalhados, Águas Negras e A Batalha de Covões; de poesia Anjos Cobertos de Pó; de teatro A Noite de Ravensbruck e Representações Domésticas; e de investigação Camilo Castelo Branco: Memórias Fotobiográficas, Um Jantar de Escritores, À Lareira: Literatura Popular Portuguesa, O Livro Português das Fábulas, Portugal Lendário, Literatura de Cordel e Primeira Linha de Fogo. Também escreveu numerosos livros para jovens e crianças, nomeadamente: Os Meus Misteriosos Pais, Fernando Pessoa, As Visitas do Pai Natal, Pedro Pescador, Chamo-me Kafka, Chamo-me Amadeo, etc. JVM recebeu recentemente a Medalha de Honra da Sociedade Portuguesa de Autores, Anteriormente: o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco, Prémio Rosalía de Castro, do Pen Clube da Galiza, Menção Honrosa do Prémio Grémio Literário, Premio de Periodismo El Adelanto, Prémio de Reportagem Norberto Lopes e, entre outros, o Pedrón de Honra (Fundación Pedrón de Ouro, Santiago de Compostela) e os Prémios Edmundo Bettencourt em poesia e ficção. Quatro Manhãs de Nevoeiro é a quarta novela do autor.


EXPOSIÇÃO - “Miguel Rocha – liberdade com legendas”

21 de Janeiro a 08 de Julho de 2017


“Miguel Rocha – liberdade com legendas


Exposição da Obra Gráfica Publicada em livros, revista e jornais
local: Biblioteca Municipal, piso 1, ala Jorge Amado

Biografia:

Miguel Rocha nasceu em Lisboa em 1968. Desde 1999 que conta histórias com imagens. Entre outros, é autor de: “Hans, o cavalo inteligente” (bd) Ed. Polvo 2010; “A noiva que o rio disputa ao mar”, com João Paulo Cotrim (bd), C. M. Portimão, 2009; “Chinoiserie” com Jorge Andrade (teatro), 2009; “Salazar - Agora, na hora da sua morte” com João Paulo Cotrim (bd), Parceria A.M. Pereira Livraria Ed., 2006; “Desempacotando”, com Jorge Andrade (teatro), 2008; “HardII”, com Jorge Andrade (teatro), 2006; “O tempo das Papoilas” (bd), Polvo, 2005; “Philatelie”, com Jorge Andrade (teatro), 2005; “Os touros de Tartessos”, com José Carlos Fernandes (bd), Junta de Andalucia, 2004; “Viagem no Branco”, com João Paulo Cotrim (ilustração), Afrontamento, 2004; “A vida numa colher - Beterraba” (bd), Ed. Polvo, 2003; “(Malitska:), com Francisco Oliveira (bd), Ed. Polvo, 2001; “Março”, com Alex Gozblau (bd), Baleiazul, 2001; “Eduarda” co Francisco Oliveira a partir do conto “Madame Edwarda” de Georges Bataille (bd), Ed. Polvo/ Bedeteca de Lisboa, 2000; “As pombinhas do sr. Leitão” (bd), Baleiazul, 1999; “Dédalo” (bd), Ed. Polvo 1999; “Borda d’água” (bd), Bedeteca de Lisboa, 1999. Em 2001 foi bolseiro das, agora extintas, bolsas de criação literária de banda desenhada do MC/IPLB, para o livro “A vida numa colher - Beterraba”. Está actualmente a trabalhar para o espectáculo “3D” de A Mala Voadora.